Microsoft office per tablet android https://pilloleitalia.net/ tassi di ipoteca rifinanziare wells fargo
 

pilloleitalia.net più alta qualità pillole

DANÇA

03/04/2010

São Paulo Cia. de Dança

Por Jum Nakao, Maurício de Oliveira e Wagner Freire

Por Paulo Henrique de Moura

Fotos: Gui Mohallem

"Os Duplos" da São Paulo Companhia de Dança é uma criação do coreógrafo Maurício de Oliveira que mostra um ambiente desenhado pela luz. São oito dançarinos que procuram buracos, espaços negativos e o contorno de seus próprios corpos. Eles habitam o tempo particular de um jogo vital no qual se instaura o caos. Os artistas são co-criadores das estratégias apresentadas na cena: a precisão na falha e a certeza na reconstrução.

O bailarino carioca Allan Falieri experimenta um dos figurinos criados por Jun Nakao

A coreografia de Maurício de Oliveira tem como foco a imagem do bailarino que se multiplica ao longo da cena. No ambiente marcado pela luz de Wagner Freire, oito intérpretes procuram desenhar o espaço por meio de seus movimentos e pela própria relação dos corpos. É o duplo de cada um, do outro e do conjunto, que estabelecem relações ambíguas. Entram, misturam-se, contaminam-se na busca de um encontro com o outro e consigo dialogando com o figurino de Jum Nakao e a trilha especialmente composta por André Abujamra.

Jum Nakao e Maurício de Oliveira verificam os movimentos de Allan Falieri

Jum Nakao assina os figurinos bem geométricos. O estilista tomou o imprevisto e o acaso como inspiração para elaborar as oito peças de tecido espumado que, aliadas a luz, definem a cenografia da montagem. O espetáculo é feito de um contraponto entre a dança clássica na obra de Balanchine e a dança contemporânea de Maurício de Oliveira, mas ao mesmo tempo estas duas obras dialogam, as duas diagonais estão presentes em uma e na outra obra. “Os Duplos” se valem muito do espaço cênico que é uma concepção do Wagner Freire e o cenário é luz. Este espaço é todo recortado e desenhado pela luz.  Maurício de Oliveira desenha o espaço com os corpos dos bailarinos e o figurino do Jum Nakao que entra num momento especial da coreografia e ajuda a trazer novas percepções do corpo do bailarino na cena

A criação dos figurinos por Jun Nakao e equipe

Figurinos:

Jum Nakao é estilista e diretor de criação. Realizou em junho de 2004, na São Paulo Fashion Week, a performance “A Costura do Invisível”, em que modelos rasgaram elaboradas roupas feitas de papel vegetal. O desfile foi considerado pelo Galliera (museu de moda de Paris) como um dos mais representativos trabalhos de moda do século 20. Atualmente, Nakao desenvolve múltiplas atividades como concepção e direção de arte, exposições, aulas, palestras, design de produtos, e outros. Seus trabalhos fazem parte de diversas citações bibliográficas e já foram expostos na França, Itália, Espanha, Bélgica, Grécia, Japão, Nova Zelândia e outros. É autor do livro e documentário “A Costura do Invisível”.

Coreografia:

Maurício de Oliveira é bailarino e coreógrafo nascido em Goiânia. Já atuou no Balé da Cidade de São Paulo, Balé do Teatro Castro Alves, Choreographies Theather Von Johan Kresnik (Berlim), Frankfurt Ballet, sob direção de William Forsythe, Pretty Ugly Dance Company, sob direção de Amanda Miller e Jazzex Dance Company (Den Haag) entre outras. Como coreógrafo já criou para o Balé da Cidade de São Paulo, Balé do Teatro Castro Alves, Distrito Companhia de Dança, e Companhia de Dança Contemporânea Siameses (que dirige), entre outras, além de criar coreografias para diversos festivais na América e Europa.

Iluminação:

Wagner Freire desenhou a luz de espetáculos como Querô, de Plínio Marcos; Almanaque Brasil, de Noemi Marinho; Aulis, de Celso Frateschi e Elias Andreato; Guerra Santa, de Gabriel Vilela e outros. Entre as óperas que assina a iluminação destacam-se Traviata, Il Guarany e As Bodas de Fígaro, com direção de José Possi Neto; Madame Butterfly e Cavaleira Rusticana, com direção de Jorge Takla. Já recebeu diversos prêmios, como Shell (1993 e 1997), Associação Paulista dos Críticos de Arte (1993), Apetesp (1993, 1996, 1997), Coca-Cola (1996, 1997, 1999, 2001) e Cultura Inglesa (1997).

Os Duplos:

Coreógrafo: Maurício de Oliveira

Trilha original: André Abujamra

Desenho de luz: Wagner Freire

Concepção e direção de figurinos: Jum Nakao

Criação e realização de figurinos: Bruna Valente, Joceli Oliveira, Juliana Zampini, Patricia Maria Grossi, Roberto Slursarz Filho

Elenco: Ana Paula Camargo, Irupé Sarmiento, Allan Falieri, Joca Antunes, Milton Coatti, Rafael Gomes, Samuel Kavalerski, Yoshi Suzuki.


blog comments powered by Disqus


2018

Abril
Julho

2016

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Julho
Setembro
Novembro

2015

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Outubro
Novembro
Dezembro

2014

Janeiro
Fevereiro
Março
Abril
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Dezembro

2013

Janeiro
Fevereiro
Março
Maio
Junho
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Novembro
Dezembro





Política de Privacidade | Sobre | Anuncie | Contato | Copyright © 2018 culture-se - Todos os Direitos Reservados.